Lendas do distrito de Viana do Castelo

As Unhas do Diabo
Em tempos que já lá vão, os sinos de Ponte de Lima começaram a tocar a finados pela morte de um célebre escrivão. Pelas reacções da população que progressivamente ia recebendo a notícia, era claro que este desaparecimento não era lamentado, pois o escrivão não era modelo de virtude ou honestidade tendo lesado muitas famílias. Era mesmo sabido que o morto falsificava documentos e aceitava subornos que guardava numa arca escondida no sótão de sua casa. Era do consenso geral que aquela alma não tinha salvação possível e duvidava-se mesmo se teria sequer direito a um enterro cristão. Estava instalada a polémica, quando os frades franciscanos do Convento de Santo António se ofereceram para o sepultar, o que veio a acontecer. Nesse mesmo dia à meia-noite, os franciscanos foram acordados por três sonoras argoladas na porta do convento. Do outro lado da porta, uma voz pedia-lhes para se reunirem na capela pois queria falar-lhes. Quando abriram a porta, um vulto imponente e de olhar penetrante entrou. Os frades assustados reparam que apesar de estar muito bem vestido tinha um pés estranhos, chanfrados como os das cabras. O visitante dirigiu-se à capela onde estava sepultado o escrivão e parando à frente da sua sepultura, levantou a laje, retirou o corpo amortalhado e fez com que este vomitasse a hóstia que tinha na boca. Transformando-se num vulto negro e temível, elevou-se no ar com o corpo do defunto e saiu por uma janela com um grande estrondo. A comunidade correu para o adro, ainda a tempo de ver os dois corpos unirem-se num só e voarem pelos céus com uma risada diabólica, deixando atrás de si um rasto de cheiro a queimado.

Deu-la-Deu Martins
Uma imagem de mulher, segurando um pão em cada mão do alto de uma torre, figura no brasão de Monção com a legenda: Deus a deu - Deus o há dado. Esta é uma homenagem à coragem e astúcia de uma grande heroína, Deu-la-Deu Martins, mulher do capitão-mor de Monção, Vasco Gomes de Abreu. Esta mulher singular viveu no século XIV, no tempo das guerras entre D. Fernando de Portugal e D. Henrique de Castela. Foi nesta conjuntura que o galego D. Pedro Rodriguez Sarmento pôs cerco a Monção com um poderoso exército, aproveitando a ausência temporária do seu capitão-mor. A vila aguentou o cerco sob o comando de Deu-la-Deu Martins, apesar da escassez de alimentos. Mas a situação chegou a um ponto de desespero e foi então que Deu-la-Deu, com um sangue-frio notável, mandou fazer alguns pães da pouca farinha que restava. Deu-la-Deu subiu com os pães à muralha e atirou-os aos sitiantes, gritando-lhes que como abundavam as provisões na cidade e dada a duração do cerco, os galegos poderiam precisar de alimento. O inimigo também estava cheio de fome e pensando que o cerco ainda poderia demorar mais tempo, decidiu retirar para Espanha. Este feito ficou para sempre na memória dos portugueses e deu origem ao costume de os vereadores do município se dirigirem ao túmulo de Deu-la-Deu, quando tomavam posse dos seus cargos, prestando-lhe homenagem.

A Inês Negra
Esta história teve lugar em 1388, no início do reinado de D. João I, em que se travou uma guerra contra Castela pela independência de Portugal. Esta contenda, em que sobressaíram os feitos do Condestável Nuno Álvares Pereira e de muitos nobres portugueses, dividiu a aristocracia e o povo português, tomando muitas terras o partido de Castela. Foi durante esta guerra civil que a Inês Negra, uma mulher do povo fiel à causa portuguesa, abandonou Melgaço quando esta cidade se pôs ao lado do rei de Castela. Quando D. João I decidiu reconquistar Melgaço, Inês Negra juntou-se ao seu exército, mas as duas facções nunca chegaram a defrontar-se. A batalha travou-se entre Inês Negra e uma sua inimiga de longa data, a "Arrenegada", que tinha optado por apoiar os castelhanos. A lenda diz que a "Arrenegada" desafiou Inês Negra do alto das muralhas, propondo que a contenda fosse resolvida entre ambas com o acordo do exército castelhano. D. João I assistiu espantado à resposta de Inês Negra que dizia aceitar o desafio. Ambos os exércitos concordaram com este duelo e a Inês Negra, de espada na mão, defrontou a sua inimiga apoiada pelos gritos de incitamento dos homens de D. João I. O silêncio instalou-se quando a "Arrenegada" fez saltar com um golpe a espada das mãos de Inês, mas esta tirou uma forquilha da mão de um camponês e fez-se à luta, procurando atingir a "Arrenegada" nas pernas. Sentindo-se em desvantagem, esta atirou fora a espada e pegou num varapau que quebrou com fúria nas costas de Inês. Louca de fúria e de dor, Inês Negra largou a forquilha e atirou-se com unhas e dentes à sua oponente, rolando ambas no chão empoeirado. Um grito de dor gelou a assistência, que não conseguia perceber qual das duas vencera. Foi então que a "Arrenegada" se levantou e fugiu para o castelo, tapando as nódoas e o sangue do rosto com as mãos. Os castelhanos abandonaram Melgaço no dia seguinte e D. João I quis recompensar a heroína, mas esta respondeu que estava plenamente recompensada pela sova que tinha dado à sua inimiga.

Lenda da Serra do Nó
A lenda do Castelo da Serra do Nó, perto de Viana de Castelo, é do tempo em que os mouros dominavam aquela região sob o comando de Abakir, que tinha fama de conquistador de terras e de mulheres. O seu castelo, mesmo no topo da serra do Nó, era dos mais ricos do mundo, dizia-se. Um dia, quando regressava a casa após mais uma batalha bem sucedida, Abakir viu uma linda pastora por quem se apaixonou imediatamente. No dia seguinte, habituado que estava a que nada nem ninguém lhe resistisse, o rei mouro mandou que a trouxessem à sua presença e disse-lhe que queria que ela ficasse ali a viver com ele para sempre. Conhecendo a reputação de Abakir, a jovem pastora assumiu o porte altivo de uma princesa e tudo recusou. Abakir enfureceu-se e mandou-a prender na torre do castelo até que a jovem pastora lhe pedisse perdão por ter ousado afrontá-lo com uma recusa. Mas ela nunca o fez e, um dia, Abakir cedeu e ofereceu-lhe o seu amor incondicional. A pastora então disse-lhe que o aceitaria sob a condição de Abakir se afastar de todas as outras mulheres e nunca mais pensasse noutra que não ela. Abakir prometeu e a bela pastora entregou-se-lhe naquela noite. Viveram felizes até que um dia a ameaça dos exércitos cristãos se fez sentir. Abakir reuniu os seus súbditos e aconselhou-os a fugir. Informou-os ainda que ficaria sozinho no castelo até ao fim e a única voz que se fez sentir foi a da linda pastora que afirmou que ficaria também. Abakir sorriu. Não esperava outra coisa da sua princesa. Sozinhos no castelo viveram ainda algum tempo felizes, aproveitando os últimos momentos de um grande amor. Quando se ouviam já os gritos de vitória dos cristãos, Abakir abraçou a sua amada, pegou no Corão, sussurrou umas palavras misteriosas e fez um sinal mágico com a mão. Quando os cristãos chegaram à Serra do Nó, o castelo tinha desaparecido. A tradição diz que quem conseguir descobrir a entrada do castelo encantado através de uma gruta ficará possuidor de maravilhosas riquezas! Abakir e a pastora ainda podem ser vistos em noites de luar, vagueando pela serra, aparecendo àqueles que ousam tentar descobrir o mistério do castelo encantado!

Lenda da Cabeça da Velha

Esta lenda muito antiga conta que na serra de Peneda vivia Leonor, uma jovem rica e bela, sob a tutela de um tio fidalgo, o poderoso e cruel D. Bernardo. Leonor tinha um amor secreto, D. Afonso, um fidalgo jovem e arruinado, e era ajudada pela sua velha aia Marta que a acompanhava nos breves encontros que mantinha com o seu apaixonado. Marta tinha-lhes jurado fidelidade, afirmando mesmo que se algum dia os traísse Deus a transformaria em pedra. Ora um dia vinha Marta de se encontrar com D. Afonso, que lhe tinha dado uma carta para Leonor, quando foi surpreendida por D. Bernardo. O cruel fidalgo, suspeitando que algo se passava, obrigou a velha Marta a contar o que se passava a troco de grandes ameaças e conseguiu arrancar-lhe a hora e o local do próximo encontro entre os jovens, decidindo surpreendê-los nessa altura para os matar. Marta acompanhou Leonor ao encontro de D. Afonso, com um grande desespero por nada poder contar à sua ama. Os jovens apaixonados encontraram-se na serra de Peneda, ficando Marta a vigiar num local próximo. Estavam Leonor e D. Afonso a trocar juras de amor quando ouviram vozes e querendo verificar o que se passava dirigiram-se ao local onde Marta se encontrava. Verificaram com espanto que Marta se tinha transformado em pedra, sinal de que os tinha traído. Sabendo-se em perigo, os jovens fugiram para a Galiza onde casaram e fizeram fortuna. Alguns anos depois decidiram voltar ao local donde tinham deixado a velha Marta pela última vez para se certificarem se o que se tinha passado era real ou uma alucinação. A Cabeça da Velha, como o povo lhe chamava, lá estava como prova da traição da pobre Marta que afinal lhes trouxe uma grande felicidade. Como prova do seu perdão, Leonor e Afonso mandaram edificar uma pequena capela muito perto do rochedo da Cabeça da Velha.

Lenda da Conversão de Abul
O cruzeiro que existe em Barbeita tem uma imagem de Santiago à qual está ligada uma antiga lenda de amor, do tempo em que nesse lugar vivia um conde poderoso que tinha uma linda irmã chamada Margarida. A jovem tinha muitos pretendentes mas rejeitava-os a todos. Estranhando este facto o irmão quis saber a razão desta atitude. Margarida revelou-lhe que tinha um amor secreto e também uma rival que era nem mais nem menos que D. Aldonça, a jovem que estava prometida ao seu irmão. Margarida acabou por revelar a identidade do homem que amava: era Abul Wali, um mouro que em breve viria parlamentar com o seu irmão. Margarida tinha conhecido Abul quando ela e o conde tinham estado de visita a Toledo e era correspondida no seu amor. Abul estaria disposto a tornar-se cristão para desposar Margarida. Vendo o seu irmão com ciúmes por causa de D. Aldonça, Margarida avisou-o que esta tudo faria para evitar que Abul casasse com Margarida, despeitada que estava por este não ter aceite o seu amor.
A chegada de Abul provocou grande sensação: jovem, belo e de tez morena, era também inteligente e elegante. Os ciúmes do conde eram tão grandes quanto a felicidade de Margarida, a quem Abul dedicava a sua total atenção, evitando todas as outras mulheres. Mas Abul mostrava-se um pouco céptico a converter-se ao cristianismo a menos que tivesse uma prova divina de que assim deveria ser. Margarida falou-lhe da sua devoção por Santiago e do quanto ela tinha rezado para que Abul viesse em breve juntar-se-lhe. Então Abul prometeu-lhe que se converteria se algum dia visse um milagre. No dia seguinte, Abul acordou com um grande clamor da população que o queria matar, incitada pelo conde a quem D. Aldonça tinha convencido que o mouro a tinha ofendido. Abul viu-se forçado a fugir e, cansado, parou junto de uma fonte para beber água. Foi então que se lembrou da grande devoção de Margarida para com Santiago, de quem evocou ajuda prometendo-lhe a sua conversão ao cristianismo. O povo cercou Abul que já se preparava para morrer, quando da multidão surgiu o conde que os impediu de avançarem dizendo que Abul era já um convertido. Como por magia, a população mudou a sua intenção e todos gritaram para que Abul fosse baptizado. Foi então que o conde lhe perguntou se era verdade aquilo que Abul lhe tinha mandado dizer por um velho cavaleiro. Abul disse-lhe que apenas tinha prometido a sua conversão a Santiago. O conde apercebeu-se que tinha sido o próprio Santiago a avisá-lo e abraçou-o, dando-lhe a mão da sua irmã. Abul em sinal de agradecimento mandou colocar naquele local um padrão com a imagem de Santiago que ainda hoje lá se encontra.

A Truta da Rainha
Vítima de uma intriga dos escudeiros de seu marido, Aragúncia, rainha de Aragão, foi injustamente acusada de favorecer com as suas atenções um jovem cavaleiro da corte. O rei de Aragão achou que esta ofensa só seria resgatada com a morte. Aragúncia decidiu fugir quando teve conhecimento do seu destino fatal e, disfarçando-se de mendiga, saiu do castelo com algumas aias e escudeiros da sua confiança. O rei perseguiu-a e esteve quase a alcançar o pequeno séquito, mas os barqueiros de rio Minho ajudaram a rainha, demorando muito a travessia dos homens do rei. Aragúncia recolheu-se numas escarpas negras que formavam uma pequena fortaleza natural junto ao rio. O rei decidiu pôr-lhe cerco e fazer a rainha render-se pela fome e pela sede. Mas como quem não deve não teme, a Aragúncia não desesperou e quando teve sede encontrou uma pequena fonte que brotava das rochas. Passados dias, quando a fome começou a apertar apareceu por cima do penhasco uma águia real levando nas garras uma truta que deixou cair. Embora atormentada pela fome, Aragúncia embrulhou a truta e mandou-a ao rei para que este se saciasse. Convencido que Deus estava com a rainha, o rei de Aragão levantou o cerco de um local que passou a chamar-se Trute, decidindo perdoar-lhe a falta. Aragúncia recusou o perdão por uma falha que não tinha cometido e ficou a viver naquele local austero para sempre. O lugar ficou a ser conhecido por Castelo de Furna ou Castelo de Faião, onde existe uma pedaço de terra a que o povo ainda chama de Horta da Rainha. A tradição manda que, nas manhãs de S. João, o povo acorra àquele local para beber da água que matou a sede da rainha e que tem a fama de curar as doenças de pele.